Petrobras anuncia aumento do diesel

Petrobras anuncia aumento do diesel

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email

Nas últimas semanas a Petrobras anunciou que o diesel terá um aumento de 8%, o primeiro ajuste para o combustível neste ano. O novo valor começou a valer no último dia 19.

O preço da gasolina também sofreu reajuste, sendo 10% nas refinarias no mês de junho.

Repasse do valor do diesel aos consumidores

Apesar da alta, o repasse do novo valor aos consumidores não chegará imediatamente, uma vez que é necessário avaliar questões como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro.

O último reajuste do óleo diesel aconteceu em dezembro do ano passado, quando foi elevado para 3%.

O diesel marítimo será elevado em 8,4%, e para as térmicas o aumento será de 8,2% (diesel S500) e 8,6% (diesel S10, menos poluente).

Alta do combustível acontece de acordo com a valorização do mercado petroleiro

Tanto o reajuste do diesel, como da gasolina, acontece de acordo com a valorização do mercado do petróleo lá fora, já que o valor do dólar e do barril de petróleo estão em alta. E reage de acordo com ao otimismo do mercado norte-americano com o início da abertura da economia e da reabertura de grandes montadoras como GM, Fiat e Ford.

Petrobras anunciou aumento do diesel por conta da reabertura da economia
Petrobras anunciou aumento do diesel por conta da reabertura da economia

Ainda assim, o petróleo está com queda de 40% neste ano, devido à pandemia do coronavírus que mexeu com a economia global.

A volta do aumento do óleo diesel nos faz lembrar o aumento de 50% no ano de 2018, que levou a greve dos caminhoneiros no Brasil.

O que foi a greve dos caminhoneiros em 2018

Em 21 de maio de 2018 o Brasil parou. Com o crescimento do diesel (que havia subido 50% nos últimos 12 meses) os motoristas de transporte rodoviário pediam a criação de uma tabela frete com valor mínimo e reivindicavam a alta dos impostos sobre o combustível.

Greve dos caminhoneiros em 2018 afetou a economia brasileira.
Greve dos caminhoneiros em 2018 afetou a economia brasileira.

A greve teve duração de 9 dias e foi apoiada por grande parte da população brasileira.

Postos de combustível foram os primeiros a sofrerem com a paralisação, com o anúncio da greve, muitas pessoas foram até os postos encherem seus tanques, fazendo com que o combustível rapidamente ficasse escasso e por um período de tempo os postos não foram reabastecidos já que os caminhões estavam parados. Nas farmácias e gôndolas de mercados alguns produtos também já começavam a faltar.

Com a falta de recebimento de insumos, algumas fábricas também reduziram a sua produção e transportes públicos nas cidades reduziram suas frotas pela falta de combustível gerando impacto direto na população.

No quinto dia de greve, o presidente Michel Temer conseguiu aval para multar manifestantes. As forças armadas poderiam desbloquear as vias e conduzir em escolta o transporte de combustível para os centros de distribuição. No dia seguinte frotas de ônibus e ambulâncias já tinham combustível garantido, mas os postos ainda continuavam sem.

No dia 27 de maio, a Abcam (Associação Brasileira dos Caminhoneiros) fechou acordo com o governo que previa a redução de R$ 0,46 do diesel por litro na bomba durante 60 dias, o valor do preço mínimo para os fretes foi atendido, além isentar o pedágio sob eixo suspenso dos caminhões que trafegam vazios.

Na época, o prejuízo da greve dos caminhoneiros teve estimativa de dez bilhões de reais, sendo 1,1 bilhão apenas de laticínios que foram obrigados a jogar fora milhões de litros de leite pela falta de transporte.

Qual a sua opinião sobre esta matéria?

Você também pode gostar

Sucesso!

Seu cadastro foi finalizado com sucesso!
Aguarde novidades da LDP Peças em seu e-mail.